quarta-feira, 25 de julho de 2012

Praia Minha




Praia Minha

praia ardorosa e solitária
aberta ao grande vento e ao largo mar
tu me viste querer-lhe com a doce
piedade das sombras do luar

teus cabos se adiantam como braços

para abraçar as ninfas receosas
que fugindo oferecem sobre as vagas
suas nítidas formas amorosas

braços paralisados por desejo

que o mundo e sua lei não permitiu
ou suspendeu amor que livre jogo
maior que posse em fugaz tempo viu

e como vós me alongo e como tu

areia me ofereço a toda sorte
por sua liberdade ou por destino
que por só dela seja belo e forte.


Agostinho da Silva, in 'Poemas'

15 comentários:

  1. Olá Argos,

    Que dizer, diz-me?!

    A magia do mar, e a sensibilidade de Agostinho da Silva dispensam quaisquer comentários.

    Sinto, mas sinto mesmo, que tudo o que pudesse dizer seria um atentado a este belíssimo poema.

    Obrigada, Amigo.

    Abraço grande.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Teresa,

      Sentimentos em sintonia!
      Por vezes as palavras só "atrapalham".

      Abraço grande

      Eliminar
  2. Amigo Argos

    A "praia minha" de Agostinho da Silva é semelhante à "minha praia", solitária, onde o vento e o mar dominam a paisagem agreste, que à noite é banhada pela doçura do luar.

    Como recordo com alguma saudade as suas "Conversas Vadias" na RTP, aqueles momentos de encantamento em que a sua figura, a sua erudição e o seu empenho numa sociedade melhor e mais livre, a todos nos seduzia e nos prendia ao écrã.

    Obrigada pela partilha de tão belo poema desta nossa grande figura do século XX.

    Um abraço amigo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tétis,

      A tua praia e a minha praia são muito semelhantes, lembras-te do texto sobre a praia?
      Se não o tiveres deitado fora envias, por favor?

      Abraço grande

      Eliminar
  3. Bonito poema de um grande senhor da nossa literatura
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Andrade,

      Um grande Senhor que deixa muitas saudades!

      Abraço

      Eliminar
  4. Belo poema, eu não conhecia Agostinho da Silva, mas procurei saber um pouco dele, e descobri que ele foi um Filósofo,Poeta e Ensaísta.Quem sente desta maneira só pode ter um coraçäo muito doce.Valeu a partilha.Abraços

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Lidiany,

      Fico contente por teres "descoberto" Agostinho da Silva, se puderes lê alguns dos seus textos, vais gostar!

      abraço

      Eliminar
  5. EXCELENTE, PRECIOSO POEMA. UN PLACER VOLVER A VISITARTE Y LEERTE, AMIGO.

    BESOS. MARÍA

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Maria,

      O prazer é nosso. Bem-vinda (de novo) ao "Farol".

      Abraço de toda a equipa

      Eliminar
  6. Meus queridos e Tétis

    Um belo poema de um grande homem, tenho uma enorme admiração por Agostinho da Silva.


    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sonhadora,

      Quem é que conhecendo Agostinho da Silva não tem admiração por ele?

      Abraço da equipa do Farol

      Eliminar
  7. Olá, parabéns pelo seu blog!
    Se você puder visite este blog:
    http://morgannascimento.blogspot.com.br/
    Obrigado pela atenção

    ResponderEliminar
  8. Morgan,

    Eu ou algum dos outros membros da equipa visitaremos, com gosto, o seu blog.

    Obrigado e abraço

    ResponderEliminar
  9. ola amigo ARGOS,

    un poema muy bueno, gracias por compartir.

    abraço

    ResponderEliminar

Cada comentário a este post é mais um Facho de Luz que nos ilumina.
Mas, se apenas quiser assinalar a sua presença, dar-nos um recadinho ou dizer-nos um simples “olá”, poderá também fazê-lo no nosso Mural de Recados.
A equipa do Farol agradece o vosso carinho e Amizade.